A alta no consumo e marcas de produtos sustentáveis



A alta no consumo de produtos e marcas sustentáveis

Nas minhas pesquisas diárias sobre o mercado da sustentabilidade de forma geral, me deparei com uma reportagem no metrópoles do dia 02/08/2021 sobre o aumento no consumo de produtos e marcas sustentáveis nesse momento em que vivemos de pandemia.

Para um produto e marca ser considerável sustentável, no meu ponto de vista, levo em consideração em primeiro lugar o momento em que ele volta à natureza, quanto tempo leva para se decompor, se sua decomposição é compostável, isso é, como ele está impactando o meio ambiente.

A produção também é muito importante, pois grande parte das embalagens, bem como a própria produção de um produto fazem uso de grandes quantidades de água, mas o mais importante aqui na produção não é o tanto que ela usa dos recursos hídricos, mas sim como ela devolve essa água ao seu curso natural, levo em consideração os efluentes que são descartados na águas.


Acredito sim que à conscientização está sendo real, pois na situação atual em que vivemos, principalmente no começo da pandemia, as pessoas deram uma desacelerada no ritmo de vida, tiveram mais tempo para olhar ao redor e reavaliar a vida como um todo, principalmente em relação ao jeito de consumir, por isso acredito na mudança sim, mas sempre lembro que essa mudança não ocorre de repente, isso leva tempo, como costumo dizer, trilhar o caminho da sustentabilidade é um estilo de vida, em cada passo dado nessa trilha, nossos conceitos e visão de mundo vão se alterando, e com essas mudanças que ocorrem de dentro para fora, todo um estilo de vida vai mudando junto.

Hoje vemos, de forma mais intensa, o termo consumo consciente ou responsável, que quer dizer exatamente o que disse, se preocupar desde a produção até o descarte daquilo que consumimos, esse termo está inserido na economia circular.

Os produtos e marcas sustentáveis estão antenados na economia circular, não mais no sistema linear extrair-produzir-descartar, a economia circular se preocupa em um desenvolvimento associado ao uso dos recursos naturais, priorizando insumos mais duráveis, recicláveis e renováveis, a preocupação vai desde a extração até o descarte, fazendo com que seus produtos ao final de sua vida útil retornem a natureza de forma a respeitar seus ciclos naturais. As pessoas estão buscando cada vez mais, nos produtos e nas marcas, um contexto como um todo, elas estão preocupadas com a transparências das marcas, seu sistema de produção em geral.


Os setores da moda, cosmético e alimentício são os que mais crescem. Nos pilares da sustentabilidade, com a conscientização crescendo cada vez mais, muitos pequenos empreendedores estão conseguindo entrar no mercado, como por exemplo, através da permacultura e agroflorestais, no ramo alimentício. Quem não prefere um alimento natural sem defensivos agrícolas? Dentro dos pilares, toda essa mudança em relação ao consumo, tem grande impacto positivo no setor social-econômico, sem contar o cultural, onde resgatamos ensinamentos valiosos de nossos ancestrais e claro nossa amada Mãe Natureza nos agradece, pois na natureza está tudo o que precisamos para viver de forma natural, pois somos parte dessa biodiversidade, não somos mais e nem menos de que nenhum ser vivo na Terra, todos temos nosso papel fundamental para o equilíbrio de todo o ecossistema.


Todos já devem ter ouvido que a indústria da moda é a segunda mais poluidora do mundo, tanto na questão de beneficiamento e tingimento das fibras, como na produção de resíduos sólidos nas confecções de roupas, onde ambos impactam negativamente o meio ambiente.

O beneficiamento e tingimento lança efluentes carregados de metais pesados nas águas , enquanto a produção nas confecções descarta suas sobras de tecidos no “lixo” e o famoso sistema fast fashion – moda rápida, que incentiva o consumismo, faz com que as pessoas descarte peça de coleção passada, que porém ainda estão novas, todo esse material vai parar na natureza, levando cerca de 6 meses a 1 ano para se decompor, poluindo quimicamente o solo.

No setor de moda sustentável, que é onde a minha marca trabalha, busco através de pesquisas e laboratório tecer peças com material o mais sustentável possível, trabalho com os fios da círculo, que possuem tratamento de efluentes, entre outras práticas sustentáveis na produção de seus fios, com a euroroma que produz barbantes ecológicos e a marca Made By You, que produz fios de algodão orgânico e vegano entre outros práticas e no meu laboratório, aqui no ateliê, desenvolvo os corantes para o tingimento natural das peças.

Atingir 100% de uma produção sustentável, lamentavelmente aqui no Brasil, ainda custa muito caro, mas com a conscientização e a busca por um consumo mais sustentável, essa realidade logo vai mudar e mais empreendedores estarão aderindo a esse mercado, pois a sustentabilidade é uma questão de sobrevivência das espécies, incluindo a nossa, e ter a responsabilidade de garantir um futuro para próximas gerações.

Busquem informações de todos os produtos que consumir, seja consciente, avalie se é necessário ou é consumismo, pois consumir não é errado, mas o excesso é prejudicial. Procure se informar sobre o fabricante do produto ou mesmo da marca, respeite a si mesmo e a natureza.


“Fique na Luz”

Luh Xavier


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo